Cotidilema

A gente tem mania de falar de outras gentes
Quando quer fugir da própria mente  
A gente mente, vira indigente   
Desconhece a si própria        
Por reincidentes minutos pungentes

A gente usa as gentes mudas, estáticas    
Como escudos pra manter a própria face intacta       
Mas por dentro a derme inflama        
E a carapuça veste a vazia carcaça       
Por onde se propaga a coisa falsa

A gente é coisica de nada        
Um ser insignificante diante das gentes      
E as gentes não se entendem        
Porque moldadas em símbolos,      
Por mais que pareçam inteligíveis

A gente é ser flutuante       
Alicerçada no vácuo das ideias vagas       
Sobre tudo e contra todos      
Porque é várias, quando cada uma

A gente precisa das gentes            
Porque precisa ser plural    
Mesmo que a rima não se faça presente

Por Isabela Rosemback

Anúncios

6 Comentários

Arquivado em Uncategorized

6 Respostas para “Cotidilema

  1. Francisco

    Que blog mais besta!

  2. Ana Lopes

    Achei vc. Que bom que resolveu voltar! Povoe-nos sempre com seu mundaréu de gentes… Adorei Cotidilema.

  3. Adorei o título, me identifiquei com a palavra cotidilema… mais do que queria. Parabéns!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s