Arquivo da tag: palco

Step Ball Change

Se os pensamentos fossem tão ágeis como aqueles pés irlandeses a balançar as tamancas… Ah, se fossem! Não precisaria ser tão agressivo em seu sapatear. Alcançaria extremos do palco com leveza admirável, fixando a plateia ao solo e unindo cada par de mãos em sonoras palmas de mesura. Mas os passos duros em sequência provocaram o efeito reverso, e um barulho que se assemelhava ao de folhas secas a se chacoalharem por todos os setores da árvore pôde ser ouvido até mesmo da coxia. Tentava entretê-los, ali, com suas plantas dos pés cada vez mais ruidosas pelo atrito voraz com o picadeiro sobre o qual persistia em movimentar-se, em uma interação imaginária com sua Companhia. Desconcertante era que, por mais que se debatesse em sua exibição técnica, o pobre dançarino não saía do lugar –e nem os demais bailarinos avançavam os limites da cortina.  Suava ansioso e concentrado, no centro daquele tablado em que se transformara. As folhas a revolverem-se, todas, em seus galhos numerados e desconfortáveis. Aguardavam clementes pelo ato final, a partir do qual poderiam voltar à mansidão das solas macias e emborrachadas que, silentes, caminham a distribuir votos de um bom dia (ou noite) nas ruas por que passam. Os pés do profissional, a cada minuto mais ávidos por baterem o recorde de golpes da chapa de ferro sobre a plataforma, produziram, porém, som tão ensurdecedor que o escape pelas saídas de emergência do teatro tornou-se inevitável a parte da folhagem. A partir daí, tudo é lenda. Dizem que o sapateador continua lá, pele e osso, dançando insistente em sua posição, ainda que acredite atravessar o palco em momentos de delírio. Algumas folhas, também, permaneceriam trêmulas em seus galhos numerados e desconfortáveis, prisioneiras de um rodamoinho que as cercaria ao menor sinal de fuga.

Por Isabela Rosemback

4 Comentários

Arquivado em Uncategorized

O do palco

Os olhos eram pesados, carregados por uma desconfiança dispersa. Uma fina linha de incerteza frente ao novo, e ele então bocejava o óbvio. Era tudo redundante. Apenas aquilo que bem sabia fazer, ignorando o contexto. Logo um olhar profundo, de análise penetrante, mas de eficiência fugaz.

As mãos tristes permaneciam lisas, ágeis. As veias salientavam a impulsividade dos membros, que contrastavam com um novo olhar velho, vítreo. Era solidão em sustenido, ressoando à visão do público.

A testa, esta também tendia ao tédio, enrugada como se quisesse se esconder daquele ambiente médio, povoado por pessoas desinteressadas, outras maltrapilhas, e uma meia dúzia de ouvintes esforçados.

Mesmo assim amorteci frente ao mórbido prazer do sonoro, de um fúnebre som ranzinza arranhado por aquela guitarra desbotada que ele com a perna apoiava. Aquela cara fechada me incomodava de fazer cócegas. Aquela testa franzida… e o bocejo solto, descarado…

Aí voltava o grito das cordas, que aquietava por segundos aquela implicância que voltava a tomar-me a lucidez quando o músico dava de coçar, lentamente,  a curvinha do rosto que leva o pescoço ao queixo. Com a ponta das unhas ele se estendia a roçar os pelos, para fora e para dentro, num vaivém automático como de um brinquedo com a pilha gasta.

Era como se dissesse à plateia: “E eu aí com vocês?”. Era quando recuperava a compulsão pela ligeireza dos dedos e tornava a tocar aquelas notas com as quais ele fazia música. E logo voltava a entreter-se com ele mesmo.

Eu, na mesa, me desacomodava ainda mais por não saber se era prazer ou obrigação aquele rito que ele cumpria no palco. Até o último som, mantive a postura torta.

Por Isabela Rosemback

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized