Arquivos do Blog

O peso do convívio (ou múltiplas leituras)

despair

Carregas a culpa que te escapa do saber. Talvez por saberes diferente, fio de permanência. Enquanto todos rumam à barca, tu te ancoras nas profundezas do teu ser. Finca-te seguro nos grãos que te constroem e silencia as vozes que querem de ti o que não és, nunca foste e jamais deverias ser. A conta de tua culpa é de quem te julga por negares unInsanidade. Sofreste este tempo todo à toa, pois és coisa bela. Ouça: tu te destoas da coisa toda. Desperta!

Por Isabela Rosemback

Anúncios

Deixe um comentário

15/11/2016 · 16:33